11 de fevereiro de 2010

Lados



Ordeno e busco posicionar os meus sentidos
Perco-te quando tento encontrar
Por ser assim tão dependente do que eu sinto.
Toda esta reação se refuta com meu eu.
Admito a traição, 
Porém vejo à presença dos dois lados
E a força do elo que se auto-sustenta.
A paixão é assim, dependente do amor
Quando esta se torna como um rio que não deságua.
Assimilo com a dor, 
Nada mais do que esta guardado para ti.
Talvez ela vá e se esqueça de voltar
Entre a lágrima de um sorriso.
Dos lados meus
Busco o que já via partir, grito, mas seguro a voz,
Choro, mas consigo sorrir
Quem eu sou 
pra querer
Entender 
O amor

Victor Silveira do Carmo 

6 Reações:

dianaBruna disse...

Difícil até entender o amor; mas vivê-lo é tão mais simples (e gratificante).
Bjinho

- All disse...

É, a paixão é assim afluente sem fim, um rio que não deságua. Eu aprendi que o amor nada mais é do que o que aquilo que nos preciamos desesperaadmente acreditar pra poder sustentar esperanças de uma vida sonhada e idealizada. Belas palavras.

Bela Lima disse...

"Busco o que já via partir, grito, mas seguro a voz,
Choro, mas consigo sorrir" Que lindo!

É, quem somos nós pra querer entender o amor...!?

Thaís. disse...

Adorei aqui.

Obrigada pelo comentário,sim? Volte sempre.

(? disse...

Infelizmente nao da pra se entender o amor, apenas pra sentir.
como diz uma musica: amor é pra sentir nao pra entender /:
adorei aqui
beijos

Enrique Coimbra disse...

"Busco o que já via partir, grito, mas seguro a voz. Choro, mas consigo sorrir"

Sabe que sempre fico sem muitas palavras, né? O que citei acima é BEM forte.

Postar um comentário

Leitores recentes do blog